Educação em Língua Materna: a sociolinguística na sala de aula [Resenhas #2]

Recentemente, terminei de ler um livro chamado Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula, de Stella Maris Bortoni-Ricardo. A autora é professora de Linguística da UnB (Universidade de Brasília) e escreve sobre o tema há decadas. Em 2004, lançou esse livro pela editora Parábola.

A leitura do livro é muito agradável e uma ótima ferramenta de conscientização para professores de língua materna e curiosos.  Destaque especial ao sexto capítulo do livro, que trata de forma lúcida e bem simplificada conceitos básicos da Linguística e da competência comunicativa (Hymes), tornando este capítulo indispensável para qualquer interessado em Linguística.

O livro é bem pessoal, como se fosse uma conversa com o leitor, e conta ainda com uma introdução de Marcos Bagno (UnB), famoso na área por seus livros sobre preconceito linguístico. O livro também reserva algumas páginas para contar sua própria história e comentários finais para o fechamento do texto.

Para iniciar sua obra, a autora faz um gancho interessantíssimo com o livro Rememórias Dois, de Carmo Bernardes, e seus relatos das aulas de Português na escola. Além disso, ela utiliza diversos exemplos de gravações retirados de pesquisas na área.

Língua materna

A autora explica de forma clara o que é língua materna e como deveríamos conceber a língua portuguesa e suas variações (inerentes a qualquer língua). Ela foca no contínuo rural-urbano da língua e ainda trata de conceitos importantes como oralidade, letramento, monitoramento, escolaridade, papel social etc.

Alfabetização

Os principais apontamentos do livro relacionados à educação são o de orientar o aluno ter uma produção escrita com pouca influência da oralidade durante a alfabetização. É claro que as observações são válidas para professores de todos os níveis, já que o aprimoramento da produção escrita é contínuo e, principalmente, as arestas de uma má alfabetização são vistas até mesmo em alunos formados. Para ela:

A tarefa educativa da escola, em relação à língua materna, é justamente criar condições para que o educando desenvolva sua competência comunicativa e possa usar, com segurança, os recursos comunicativos que forem necessários para desempenhar-se bem nos contextos sociais em que interage.

Atividades

A autora ainda dispõe ao longo do livro Atividades e pausas do tipo Reflita para o leitor analisar melhor o assunto. As atividades normalmente podem ser aplicadas em sala de aula, sendo incorporadas ao plano de aula, algumas outras sugerem que o professor discuta com colegas de trabalho. Acredito que, se bem acompanhado, o livro pode trazer resultados muito interessantes às aulas de língua materna e formar alunos com uma percepção mais madura e menos preconceituosa sobre a língua.

Esta entrada foi publicada em Ensino Fundamental, Ensino Infantil, Ensino Médio, Plano de aula, Resenhas, Sala de Aula, Todos os artigos e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Educação em Língua Materna: a sociolinguística na sala de aula [Resenhas #2]

  1. Hi, this weekend is pleasant for me, for the reason that this moment i am reading this wonderful educational post
    here at my house.

    Here is my web-site: profitable small business

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *