Ocupação de Reitorias – USP e Unicamp

Inspirados, de certa forma, pelo ato dos alunos da Unicamp no mês de março, cerca de 350 alunos da USP ocuparam, dia 03.05, a reitoria da universidade para se fazerem ouvir.

Na quinta, dia 03, deveria ter ocorrido uma assembléia pública com um representante da reitoria no campus da USP em São Paulo. Isso não aconteceu e a reitoria não deu justificativas, fechando as portas do prédio como forma de “tentar” finalizar a discussão com os estudantes. Essa foi a gota d’água para os alunos que decidiram, então, ocupar a reitoria.

A ocupação já possui um blog na internet funcionando diretamente do prédio da reitoria, noticiando tudo o que acontece lá dentro. Leia o trecho de um dos posts do site:

“Cerca de 350 estudantes da USP ocuparam às 17h do dia 3 de maio o gabinete da reitoria da universidade, reivindicando a revogação dos decretos 51.460, 51.461, 51.471, 51.636 e 51.660 do governador José Serra, que interferem na autonomia das universidades públicas. Entre as reivindicações estão: contratação de professores, melhoria da infra-estrutura da universidade e ampliação das vagas na moradia estudantil.”

O Futuro Professor já tratou um pouco sobre o Serra e suas idéias para a universidade pública em outro aritgo.

Vale lembrar que as reitorias da Unicamp e da Unesp já se posicionaram contra os decretos do governador, e a USP ainda espera uma resposta… Muitos universitários de várias localidades estão apoiando a ocupação. No blog, também é possível ler entrevistas com professores e até mesmo com o vice-reitor Franco Lajolo.

Tudo isso serve para levantar uma outra questão, e que acho que daria um bom debate em nosso site. Até onde a luta pelos direitos estudantis pode ir? A escolha por greve ou ocupação é acertada? Professores e funcionários precisam fazer greve para terem voz ou ela é uma ferramenta “mais fácil”?

Eu (Rafael) colocarei minha opinião mais tarde, mas já posso adiantar que visitei a reitoria na hora do almoço e estavam todos bem organizados enquanto acontecia uma reunião com representantes da universidade e dos alunos. No caso da Unicamp, pelo menos, o final foi feliz, os estudantes conseguiram bons resultados e promessas de melhorias nas moradia.
Seguem também as formas de se entrar em contato com os organizadores da ocupação:

Comissão de Imprensa da Ocupação da Reitoria
Contatos: ocupacao.usp@gmail.com
Telefone: (11) 3091-3602
Blog: ocupacaousp.blog.terra.com.br

Leia mais:

Hoje, dia 14.05, vejo este link na página inicial da Universidade de São Paulo:

“Reitores lançam comunicado sobre preservação da autonomia das Universidades Estaduais Paulistas

À comunidade universitária

A preservação da autonomia das Universidades Estaduais Paulistas

Conceito presente nos estatutos universitários brasileiros desde a década de 30 do século XX, a autonomia universitária veio a consagrar-se como princípio constitucional na Carta Magna de 1988. Foi nas Universidades Estaduais Paulistas, entretanto, que, a partir de 1989, esse princípio foi aplicado em sua plenitude com a instituição do regime de autonomia financeira com vinculação orçamentária, viabilizando a autonomia administrativa e reforçando as prerrogativas – em muitos aspectos já existentes – da autonomia didático-científica e da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.
(…)”

Assinado pelos três reitores das maiores universidades do estado, o texto vale a pena ser lido. Veja-o na íntegra aqui.

Esta entrada foi publicada em Todos os artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas para Ocupação de Reitorias – USP e Unicamp

  1. Sérgio disse:

    é preciso ficar atento a forma como a mídia vem tratando as ocupações, como ferramentas de destruição e depredação. todos dizem ter diálogo aberto, quando isso, na verdade, é uma piada nas universidades de SP. a ocupação é um instrumento legítimo e democrático – desde que não haja depredação, ainda mais pra quem tem defendido a educação pública

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *